Álvaro Costa

Descrição

ÁLVARO COSTA nasceu na Freguesia de Macieira, da Lixa, no último dia de Abril de 1971.
Vive e trabalha em Soutelo, Vieira do Minho.
Faz esculpidos, baixos e altos relevos, pirogravura, e escultura em vários tipos de madeiras.
Cria e recria objectos como mobiliário, brinquedos, etc.
Faz exposições de trabalhos seus, individuais e colectivas, e cria e executa encomendas de esculpidos, esculturas e objectos de pequenas e grandes dimensões para entidades privadas ou públicas.
Orienta aulas, oficinas, de artes plásticas na Universidade Sénior de Vieira do Minho na Casa Museu Adelino Ãngelo, na Santa Casa da Misericórdia de Vieira do Minho, na Junta de Freguesia de Soutelo e em privado dos 2 aos 100 anos.


Pinta, esculpe, o que imagina, o que vê e, muitas vezes, o que gostava de ver.
A sua técnica pessoal, espontânea, desenvolvida por si próprio, são os esculpidos em diversos tipos de madeiras, com a sua forma de desenhar, riscar, esculpir, muito próprioa muito pessoal.

Faz esculpidos em baixo e alto relevo, pirogravura, e mais recentemente, escultura em madeira também.

Faz trabalhos de pequena e grande dimensão.
Executa, também, trabalhos para espaços privados e públicos.

Cria objectos e recria, transforma, objectos úteis como mobiliário, brinquedos, etc, com baixo relevo e pirogravura.

Para além dos esculpidos, há o desenho e pintura com vários tipos de lápis coloridos, ceras, tintas, marcadores, esferográficas, etc, em papel, cartão e madeiras.

Anteriormente dedicou-se também à reprodução de todos os monumentos da região de Basto, com o seu próprio estilo e visão.
É, no entanto, das criações ficcionais ou reais metamorfoseadas, que lhe advêm os maiores elogios da crítica.
O seu inegável talento tem sido muito apreciado e divulgado na Guarda, em Vila Nova de Cerveira, Viseu, Santarém, no Porto, Lisboa, etc.
Expôs também, em Espanha (Vigo, Santander e Porto Novo), Alemanha (Osnabruck, Dissen, Bad Rothenfelde e Hilter A.T.W.) e França (Paris).

Álvaro Costa representa de forma muito pessoal o sagrado e o profano, o real e o quimérico. A heterogeneidade é uma característica da sua obra, apesar de, por vezes, aconselhado a fixar-se num arquétipo único.
O seu sentido compositivo, e, especialmente, a sua visão profunda, original e própria das coisas provoca os mais díspares comentários e interpretações, como na visão particular da "Última Ceia", a sua "Ceia", ou de outros trabalhos, sempre, prodigiosamente imaginativos, criativos, espontâneos, sonhadores, e de uma grande profundidade que representa a sua própria forma de ser, de observar de modo inteligente, sensível, atento e criativo o mundo que o rodeia. Com essa profundidade atenta e sem pressa que faz o uso máximo de todos os sentidos para nos mostrar, então, nas suas obras, a sua verdade, a sua própria visão. Uma visão que é livre, que não segue ou depende de nenhuma outra.

"Faço pintura esculpida em vários materiais como madeiras, platex, etc.
Não me identifico com nenhum estilo ou corrente. Tenho o meu estilo e técnica pessoal com características próprias que desenvolvi à custa do meu trabalho.
Procuro representar sempre a minha própria realidade e visão do mundo."
Álvaro Costa

Contatos

Localização

Casa Museu Adelino Ângelo
Largo Prof. Brás da Mota 91, 4850-531 Vieira do Minho